domingo, 28 de dezembro de 2008

Crónica sem título

Acontece às vezes...
Nem sempre é fácil encontrar um título que resuma o texto daquilo que se escreve, e aquele que se utiliza geralmente a isso não corresponde com a clareza necessária.

Vamos escrever hoje uma crónica daquelas que o título não aparece. E que crónica?

Os assuntos, umas vezes abundam outras escasseiam e deixam de ter interesse para o leitor.

Não que o tempo que decorre não abunde em assuntos variados mas fica a dúvida da escolha...

Quem escreve é que sabe a dificuldade que encontra quando “lança a mão à pena...” Mas isso era antigamente...Hoje é colocar as mãos sobre o teclado do computador, já não da máquina de escrever, e deixar correr... Pois que seja.

A propósito daquele “lança a mão à pena”, veio-me à lembrança a “Carta para longe” de Armando Cortes-Rodrigues. Actualmente já não se escrevem cartas para as Américas e quase para parte nenhuma. Até as de negócios foram substituídas pela Internet..

No entanto vale a pena lembrar o que escreveu o Poeta :


Maria manda dizer/

o que por tens passado

Triste velhice de quem

Não tem os seus a seu lado.


Não te esqueças de teu pai

lembra-te sempre de mim

Adeus...adeus...que as saudades

Só à vista terão fim!”


Triste velhice de quem

não tem os seus a seu lado!


E quantos partiram para não mais voltarem... Viveram envoltos numa saudade permanente, recordando “o craveiro do balcão” ou a figueira do quintal...

A saudade era tamanha que nem a língua da nova pátria quiseram aprender. A terra pequena e humilde estava sempre presente. Recordavam os feitos de criança, os irmãos e os pais com uma saudade amarga. Aos filhos ensinaram a língua materna para que, em casa, só esse idioma se falasse... E nunca puderam voltar às pedras negras do cantinho natal...

Por cá os pais viveram, e partiram para sempre, embalados na esperança de um dia eles regressarem, porque


Depois que daqui saíste

Nunca mais houve alegria,

Que do céu da nossa vida

Veio a noite e foi-se o dia”.


Tantos que partiram para a terra ficar mais pobre de gente. E essa gente que ficou foi envelhecendo, sempre a olhar para o horizonte, na esperança de um dia o barco voltar ao porto e trazer o seu Manuel, rico e bem trajado, a espalhar alegria e lembranças aos que deixara num dia longínquo. Mas isso raro aconteceu. O Manuel não mais voltou... Todavia ,


A tua cadeira baixa

Lá está (ainda) junto à janela

Como quem ainda espera

Que te venhas sentar nela.”


Muitas crónicas semelhantes se podiam escrever, sobre tantos e tantos que partiram um dia, e foram enriquecer, com o seu trabalho duro, de escravo, as terras da Diáspora. E nunca mais voltaram... E os pais foram envelhecendo, sempre na esperança de um encontro que não se realizou!....

E o Poeta continuou a registar a :


Saudade é como o luar

Que só de noite é que brilha... “


É simples mas repleta de encanto a prece final:


A bênção de Deus te cubra

Com amor, paz e saúde

E lembra-te que a riqueza

Verdadeira é a virtude.”


A crónica acabou. “Até à vista...”


Vila das Lajes,5 de Dezembro de 2008.

Ermelindo Ávila

2 comentários:

artur xavier disse...

Como eu gostaria de ter a lucidez e a clarividência do Senhor Ermelindo Ávila. De escrever com a paixão e a emoção que só ele sabe colocar em cada texto!...
Eu, também, parti, um dia! Não para as distantes Américas, mas para este pequeno rectângulo, à beira mar plantado. E tenho um sonho, direi mesmo, um desejo maior: o de regressar à minha Terra e aí acabar os meus dias! É que sempre que volto ao Pico, a partida custa cada vez mais. Este ano, passei a Semana da Festa na minha Ilha. Foi muito bom, mas soube-me a tão pouco. O que são oito dias para matar as imensas saudades que tranportamos no peito e que, permanentemente, nos atormentam?!
Neste findar de 2008, gostaria de aqui deixar os meus votos de Feliz Ano Novo para todos os Picoenses, de uma forma particular e muito especial aos que teimaram em ficar na nossa Ilha Maior.
Um abraço, do tamanho do Mundo e que estejamos sempre unidos, ainda que, no pensamento.

Anónimo disse...

Que o Sr. Ermelindo conserve a lucidez e a irreverencia da juventude por muitos e longos anos.

Feliz 2009