sexta-feira, 7 de novembro de 2008

NO RESCALDO

NOTAS DO MEU CANTINHO

Terminaram as campanhas eleitorais para as eleições regionais. Os resultados foram frustrantes para algumas. Outros cantam vitória. O povo, esse ficou retido nas suas casas alheio à euforia dos políticos. Não será essa a leitura que se pode fazer dos 53 por cento de abstenções?
Todos os interessados em conseguir lugar no Parlamento, um emprego aliciante e que sabe bem aproveitar... fizeram promessas e mais promessas, distribuíram a rodos cartazes, objectos utilitários embora marcados pelas suas siglas, andaram de porta em porta com folhetos em que haviam impresso seus programas - promessas... E pouca diferença faziam uns dos outros. Mas alguns dos empreendimentos de que há muito se reclama, ficaram totalmente no esquecimento. Ignoramos a razão mas tudo leva a crer que houve o receio de levantar ondas, por razões que bem se compreendem. Podiam entrar em conflito parlamentar com os parceiros de outros círculos e isso todos quiseram evitar.
Todavia, não faltaram propósitos e afirmações para a solução de alguns empreendimentos que ,há muito, já têm solução satisfatória.
Um dos assuntos que não vimos devidamente tratado foi o Turismo na ilha do Pico. Esquecimento ou propósito?
Ainda agora estou escutando pela voz dum político nacional que o Turismo é a principal actividade económica da Ilha da Madeira. Há muito que o sabemos. E quem por lá passa depara-se, em toda a ilha, com luxuosos e avantajados estabelecimentos hoteleiros que não foram construídos para servir os nativos mas aqueles que, de todas as partes do Mundo e desde há longas décadas, ali chegam para momentos de lazer e de gozo paisagístico.
E as ilhas açorianas? Nada têm para oferecer ao Turismo? Não refiro S. Miguel porque é um caso à parte, muito embora, quando se refere qualquer invento naquela Ilha, se diz: “Nos Açores”.. . E à ilha...nada falta! Agora, vão-se “inventando” novas estruturas que às outras ilhas nada interessam, mas é Açores...
O Turismo nasceu em São Miguel, há muitos anos, por uma firma comercial e industrial, cujos proprietários, não sendo dali, há mais de um século ali se fixaram e na ilha têm desenvolvido a sua operosa actividade. E igualmente na Ilha do Faial.
No mês de Agosto de 1939 encontrava-me em Ponta Delgada. Passava as tardes no antigo café “Giesta”, situado ao lado da Matriz. Um pouco além, havia sido inaugurado, meses antes, o “Bureau” de Turismo, que estava a cargo do excelente amigo Silva Júnior. E como órgão, suponho, desse estabelecimento - posto de turismo, havia sido criado e circulava, ainda sob a direcção do distinto Dr. Agnelo Casimiro, o jornal “A Ilha”, onde tinha assento um grupo de distintos e intelectuais jovens micaelenses. Alguns eram bons amigos. Recordo-os com saudade, entre eles Victor Pedroso.
Um dia “A Ilha” , secundada pelos outros jornais micaelenses da época – Diário dos Açores, Correio dos Açores e Açoriano Oriental (ainda em primeira série), anunciaram a inauguração do Campo de Golfe das Furnas, para o que chegara dos Estados Unidos um milionário americano com o seu secretário. Uma “matança de porco” era o elemento atractivo. E, nessa véspera de domingo, a cidade despovoou-se para assistir à “matança” e à inauguração, pois na ilha ainda não havia praticantes daquele desporto.
O campo lá ficou para nacionais e estrangeiros e ainda hoje existe.
Na Ilha do Pico, há duas dezenas de anos, se não mais, constituiu-se uma sociedade para a construção de um campo de golfe. A Câmara Municipal cedeu o terreno. As obras iniciaram-se. Muita terra de quintais da vila foi transportada para o Mistério da Silveira para regularização do campo. Mas as obras ficaram em meio. Não sei se ainda existe a sociedade promotora. Sei que o campo não foi concluído e a ilha ficou privada de uma estrutura indispensável ao desenvolvimento do Turismo que, repito, é a indústria do futuro. O Pico faz parte dos Açores ou Região. Tem um potencial enorme que está desprezado e que muito poderá contribuir, quando devidamente aproveitado, para a implantação e desenvolvimento do Turismo. E não precisa de serem suspensos PDM...
Explicam que o Pico não tem força política para solucionar os seus problemas e que nunca caminhará com firmeza para o futuro porque será sempre um servidor submisso e calado...
Pois que assim seja. Mas, não se enganem os políticos. Tempos virão em que o castão da bengala se virará para o chão...
A abstenção venceu nas passadas eleições. Uma ou muitas razões houve para que isso acontecesse É isso que não se quer ver nem se analisa.
Vila das Lajes, 28-Outubro-2008
Ermelindo Ávila

1 comentário:

Cidadão Angrense disse...

Aqui está alguém que para além de já nos ter habituado a uma elevada qualidade de escrita, faz uma análise muito objeciva da situação política actual. Deixamos aqui o convite ao escritor Sr. Ermelindo Ávila para nos passar a enviar os seus textos para o e-mail: cidadaoangrense.editor@blogger.com Publicaremos de imediato.