sábado, 13 de setembro de 2008

PARA QUANDO O HOTEL DA VILA DAS LAJES?


Terminaram as Festas da Semana dos Baleeiros e é tempo de se fazer um balanço, desapaixonado mas objectivo, da maneira como decorreram e das deficiências que se notaram.
Há muito deixei de ser repórter. Um trabalho mais próprio da Redacção de qualquer periódico. Mesmo assim não me escuso a fazer um comentário, entre os mais que seriam devidos, e que julgo de oportunidade.
Conversando, muito cordialmente, durante os dias festivos, com um dos intervenientes convidados, disse-me ele que tinha de sair porque o hotel ficava distante. E em jeito de surpresa: Vocês aqui não têm um hotel. Respondi-lhe que tínhamos um mas que devia estar todo ocupado. Referia-me, naturalmente à Aldeia da Fonte, na Silveira.
E o comentário por aqui ficou. Não deixei, porém, de nele pensar com certa amargura. De facto, dentro da Vila das Lajes não existe um hotel, embora possua boas Residenciais e algumas dezenas de camas disponíveis. Têm os seus clientes e são indispensáveis, como é natural. Todavia, isso não basta, pois o turista estrangeiro não conhece a palavra residencial ou pensão. Para ele o significado é diferente.
É urgente a construção de um hotel "dentre muros” do velho burgo. Mais do que qualquer outra construção, mesmo que seja considerada de utilidade pública.
E vou repetir o que já, uma ou mais vezes, aqui escrevi. Não importa o número de “estrelas”. Impõe-se que seja hotel e como tal classificado. É isso que procura o visitante exigente. É um estabelecimento dessa categoria, que existe em todas ou quase todas as vilas açorianas. E o Município não pode nem deve estar ausente dessa iniciativa. Tal como o vêm fazendo as instituições congéneres da Região. E até da Ilha do Pico.
Um hotel, repito, é um factor de desenvolvimento e de atracção turística para qualquer terra que deseja desenvolver-se e promover a sua economia. E a Vila das Lajes dele tanto carece! São os empregos que se criam. São os transportes que se desenvolvem. São os produtos da terra que se comercializam. São uma série de factores que se desenvolvem com a estadia de visitantes em condições de bem-estar e de conforto.
Um apelo muito sério deixo, nestas rápidas linhas, à Câmara Municipal. Sei que está a chegar ao último ano do seu actual mandato mas ainda está a tempo de programar a construção de um hotel, aqui perto. Ou na antiga casa da Maricas do Tomé ou no espaço vazio que foi o “jardim do João Manuel” ao lado do edifício dos CTT. Ficaria na parte central da avoenga vila e contribuiria, além do mais, para dar um aspecto renovado e “civilizado” àquele abandonado local.
E porque não constituir uma empresa municipal, -mais uma, dirão, mas isso que importa? – para a realização de tão necessária estrutura sócio - económica!
Aqui fica o apelo. Haja quem se digne escutá-lo e dar-lhe a devida e concreta realização e os lajenses regozijar-se-ão e saberão aplaudir .
Vila das Lajes,
Setº 2008
Ermelindo Ávila

3 comentários:

Anónimo disse...

Um hotel nas Lajes é, sem sombra de dúvida um empreendimento necessário.

Discordo contudo que seja o municipio a construir o hotel. As funções da Câmara são ou devem ser outras.

Mas o municipio pode muito bem estimular esta iniciativa. Oferecendo o terreno, por exemplo. Ainda recentemente o municipio de Angra vendeu o antigo prédio onde hoje se localiza o hotel do Caracol por um preço mais que simbólico. Em relação ao hotel do Cantagalo esta câmara, para além de oferecer o terreno estabilizou a arriba continua e ajardinou os terrenos circundantes.

Há muita forma de apoiar.

André Filipe disse...

Em relação ao que o anonimo diz poderia concordar efectivamente se nos concelhos como os nossos tivessemos uma mentalidade investidora e criativa.mas nao temos.O facto e que e uma necessidade muito grande um hotel nas Lajes do Pico e se ninguem tem a iniciativa devera ser a camara municipal enquanto principal responsavel pelo desenvolvimento do Concelho a ter essa iniciativa procurando para isso parceiros privados. Temos muito bons exemplos no pais e ate na regiao e exemplos que em 2 anos a camara deixou de ser parceira porque os privados afinal viram que era uma boa iniciativa...

Anónimo disse...

A Câmara deve, e muito bem, incentivar.
Criar condições para.
Ceder um terreno ou um prédio.
Proceder a certo tipo de obras.
Nunca sobrepor-se aos privados.
Não é vocação da Câmara ser empresária de hotelaria.

Luis Filipe Rocha