sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

UM HERÓI DESCONHECIDO

Algumas vezes referi em escritos meus o herói nas lutas americana contra os Índios, John "Portugee" Phillipss.
Era natural desta vila ou melhor dizendo do subúrbio das Terras, filho de Filipe Cardoso e de sua mulher Maria de Jesus, naturais e fregueses da Matriz da Santíssima Trindade e moradores no lugar das Terras, desta Vila, nascido a 28 de Abril de 1832 e baptizado em 3 de Maio do dito ano. Faleceu aos 51 anos de idade, em Cheyenne, a 18 de Novembro de 1883. Ocorrem agora 124 anos.
"Rapaz ainda, emigrou para a América , numa antiga baleeira, de salto, como era vulgar naqueles tempos. Desembarcou nas costas do Pacífico, seguiu depois para Lesta, trabalhando com um grupo de aventureiros, como ele, que iam à cata de ouro. No verão de 1866 Phillips, chegou ao Forte de Kearney, com quatro companheiros. Ali todos arranjaram trabalho, parte do tempo contratados pelo chefe do posto do exército dos Estados Unidos.
Foi então que se deu a grande façanha do nosso conterrâneo. O forte onde trabalhava foi cercado pelos Índios e tornou-se forçoso pedir reforços ao forte de Laramie que ficava a mais de duzentas milhas.
Estava-se na véspera do Natal de 1866. Phillips ofereceu-se para ir até Laramie afim de levar uma mensagem do comandante, pedindo ajuda para combater a fúria dos indianos, dispostos a tudo conquistarem, para o que tinham de fazer grande carnificina entre os ocupantes do forte Kearmey. Caminhando, durante a noite, por entre matas bravas, iludindo assim a apertada vigilância dos assaltantes, num cavalo bastante adestrado, (consta que era o cavalo do próprio comandante do forte), para não ser apanhado pelos índios, conseguiu chegar ao Forte de Laramie e entregar o pedido de socorro. O cavalo, que tinha as ferraduras pregadas ao contrário para despistar os índios, ao chegar à parada caiu morto, exausto pela longa caminhada. O auxílio chegou ao forte sitiado e os assaltantes foram desbaratados. Todavia jamais perdoaram ao nosso herói o seu feito e, durante a vida, as suas propriedades eram constantemente assaltadas, como vingança, pelos índios.
Aquando do seu falecimento a Comissão do Congresso aprovou uma moção na qual se afirmou: "A morte de Mr. Phillps foi uma perda irreparável para esta terra, foi um homem sempre leal e verdadeiro em tudo, nunca se provando coisa alguma em contrário, honesto, cidadão correcto e prestante, amigo do seu amigo e do seu próximo.
"Não cremos que ninguém tenha feito mais por esta terra para abrir o caminho para a civilização que muitos de nós agora gozamos do que John Phillips. Muitos dos pioneiros que aqui se estabeleceram, lembrar-se-ão de tantas vezes que arriscou a vida na fronteira, desde Cache de la Pondre até aos confins da Montanha, enganando habilmente a astúcia dos peles vermelhas (índios), dando socorro a tantos que tinham caído, presas desses selvagens. Representou um papel muito importante no drama este país."
O Phillips visitou uma vez as irmãs, residentes no lugar das Terras, e é tradição que viajou num barco de guerra americano posto à sua disposição pelo Governo estadunidense. Num trabalho publicado no Boletim do Núcleo Cultural da Horta (Vol. III, nº. l, 1962) permiti-me alvitrar que o Manuel Filipe, seu nome de baptismo, fosse homenageado na sua terra natal. Isso nunca se verificou.
Hoje, voltando ao assunto, decorridos que são quarenta e cinco anos sobre o meu primeiro escrito, e recordando as homenagens diversas que os Estados Unidos lhe hão prestado, como acontece com os seus heróis, por vezes tardiamente, ouso lembrar que nunca é tarde para se prestar a devida justiça a quem a merece.
Porque não colocar, na zona central das Terras, onde se situa a Ermida do Coração de Maria e o grandioso salão Social, aqui vai a razão deste texto, um busto do nosso herói ? Para isso poderia servir a foto verdadeira que aqui se publica.
Faço um apelo à Câmara Municipal e aos habitantes daquele progressivo lugar, para que não esqueçam o maior filho da localidade.
Uma vez mais presto a minha homenagem ao herói Manuel Filipe e espero que este modesto pedido seja atendido por quem de direito e não se faça, uma vez mais, "ouvidos de mercador" a tão importante assunto, como é o acto heróico de Manuel Filipe, ocorrido, precisamente, há 141 anos.
Vila das Lajes,
Natal de 2007
Ermelindo Ávila

3 comentários:

Anónimo disse...

Concordo consigo. Eu já sabia que foi e é uma pessoa muita famosa nos EUA. julgo que deviam fazer uma homenagem a este senhor, vamos ver, se alguem o faz.
Aproveito para desejar um feliz natal e um excelente ano novo o Sr.Ermelindo e familia.

Um grande abraço

José Manuel Medina

Rory disse...

My dear beloved cousin, Ermelindo, Merry Christmas to you and your family. Feliz Natal.

Um grande abraco.

Primo,
Rory Santos

J.Júlio disse...

Sr. Ermelindo, Permita-me acrescentar algo mais ao seu belo artigo sobre esse herói desconhecido em Portugal e, mais ainda ,no Brasil. A cavalgada do John´, de cerca de 350km em território infestado de indigenas hostis, se deu em temperatura abaixo de zero. Quando ele chegou ao forte de destino, realizava-se uma festa cuja música parou á entrada daquela figura coberta com um sobretudo de pele de búfalo e coberto de gelo dos pés à cabeça. A temperatura estava tão baixa que o envio de reforços teve de ser retardado por alguns dias. Segundo alguns autores americanos, john Phillips só não recebeu a medalha do Congresso por ser estrangeiro. Hoje, há um monumento em sua homenagem perto do forte. Um abraço, J.Júlio