sábado, 11 de agosto de 2007

A grande Semana Lajense

É a Semana da Senhora, a Padroeira das gentes lajenses e picoenses, Nossa Senhora de Lourdes. A Senhora que há 124 anos tem altar reservado na Matriz da Santíssima Trindade ao qual o Papa Leão XIII concedeu a mercê de ALTAR PRIVILEGIADO.
Hoje não somente o altar mas todo o templo deveria ser considerado Santuário, tal como acontece a outros nos quais estão entronizadas Imagens de grande devoção do Povo crente.
Quando, há anos, foi apresentada petição junto da entidade competente para que a Matriz da Santíssima Trindade desta vila, fosse considerada Santuário da Virgem de Lourdes, indeferiu-se esse requerimento sem qualquer explicação, num gesto de aparente prepotência que chocou deveras os crentes e devotos d’Aquela que, por dezoito vezes, “apareceu a uma inocente filha do povo”.
Igual povo, que não o de Lourdes, anda há mais de um século a suplicar e louvar a Virgem de Massabielle e isso não basta para que a “Casa Santa, Mimosa de Deus” seja considerado um Santuário, onde o povo que professa a fé cristã, suplica à sua Padroeira as graças e benesses de que necessita? Será melhor assistir, indiferente, ao seu afastamento da Casa de Deus ?…
No livro Perfumes de Lourdes, editado em Angra do Heroísmo em 1892, escreveu o seu autor Mons. António Maria Ferreira, a páginas 331: “Lages do Pico – Foi talvez o primeiro logar dos Açores onde Nossa Senhora de Lourdes começou a ser invocada, não obstante ser o Fayal a primeira Ilha onde foi exposta ao culto a primeira Imagem de Nossa Senhora de Lourdes.
“Em occasião aflictiva para os habitantes d’aquela villa, n’um d’esses dias em que o mar enfurecido parece, na phrase dos lagenses, querer engulir a terra, algumas canôas balieiras tripuladas por intrepidos marinheiros demandavam o porto, luctando corajosamente com as ondas enfurecidas; mas para os de terra havia eminente risco de os verem despedaçar-se nas penedias que tornam perigosíssima a entrada do porto.
“As proximidades da lagôa cuja bacia forma o porto achavam-se apinhadas de povo que pressuroso havia accudido a presenciar aquele triste espectáculo. Nos momentos de maior angústia apparece alli um filho da localidade que era considerado por todos como tendo sido objecto de uma insigne graça de Nossa Senhora de Lourdes. A sua presença e a sua palavra conseguiram serenar um pouco aquelles corações afllictos inspirando-lhes uma tal confiança na miraculosa Senhora de Massabielle, que d’envolta com os gritos de angustias que de continuo irrompiam de todos os peitos eram repetidamente ouvidas dos diferentes pontos da multidão as exclamações de:- Nossa Senhora de Lourdes livrai-os do perigo – Nossa Senhora de Lourdes salvae-os!
O Facto é que a tempestade serenou, as embarcações entraram a salvo no porto, e da tripulação ninguem soffreu o menor dano. Desde então a confiança em N. Senhora de Lourdes começou a ganhar os corações entre aquele bom povo e a sua devoção dia a dia conquistava terreno. Estava desta forma inaugurado n’aquela villa e no archipelago e diocese de Angra o culto publico em honra da Virgem dos Pyreneus.”
Que mais acrescentar para justificar a necessidade de intensificar o culto da Virgem de Lourdes na terra lajense, que parece esquecer-se daqueles recuados momentos de angústia em que a Virgem foi invocada publicamente e atendeu de maneira assombrosa – milagrosa? – os povos aflitos !
Vamos celebrar uma vez mais a Festa de Nossa Senhora de Lourdes.
Nas últimas duas semanas de Agosto, tal como desde 1884, as nossas gentes vão estar junto do altar, tomando parte no Novenário e nas solenidades do dia. E igualmente muitos picoenses e outros que aqui chegam de outras ilhas e das Terras da Diáspora. É um tempo forte de empolgante solenidade, dedicado à Senhora que, junto do porto e quando as antigas canoas baleeiras estavam em perigo, ouviu as preces angustiosas do povo ali reunido a presenciar os horrores da tragédia que se aproximava mas que a Virgem afastou com sua maternal bondade!
Já não há homens que pratiquem a ardilosa pesca. Restam apenas alguns que ainda foram baleeiros, mas a tradição ficou. Todavia, nuns vislumbres de fé tradicional, todos os lajenses a eles se unem ali, no mesmo local, onde a Virgem foi invocada há 124, junto do porto, a escutar a Palavra do sacerdote e a viver emocionados ainda esses momentos de recordação e de fé ardente que era !
Celebremos com alegria as maravilhas que o Senhor fez!

Vila Baleeira,
2 de Agosto de 2007
Ermelindo Ávila

1 comentário:

Paulo Areias disse...

Após leitura, desta crónica faço algumas considerações:
Não quero entrar em polémicas mas, não posso aceitar a sua dissertação acerca do tema "Rescaldo das Festas".
Isto porque, quando o Sr. Ermelindo Afirma:
"Este ano a festa teve um cunho especial. Foi presidida pelo Bispo da Diocese, Dom António Sousa Braga "...
"A presença do Prelado não deixou de ser uma benesse para o seu povo, pois é a primeira vez que um Bispo Diocesano se digna presidir às solenidades de Nossa Senhora de Lourdes para aqui traz idas por um lagense... "
Devo esclarecer os nossos leitores, que afinal não é bem assim.
E como o Sr. Ermelindo afirma, na sua crónica: "No entanto não podemos esquecer que, entre o bom trigo aparece por vezes o joio daninho", venho por este meio por o trigo em evidência, trago ao presente a memória das seguintes edições do mui nobre Semanário, O Dever:
Na Edição do Jornal “O Dever” Ano 85°N-34138, em primeira página diz o seguinte:

“O Prelado Diocesano esteve nesta Vila, em 30 de Agosto de 2001“ Aqui sim, pela primeira vez! Sendo o pregador de todo o Novenário à Senhora de Lurdes e, sendo ele próprio a fazer o Sermão da Pesqueira, como as fotos documentam.

Faço minhas as palavras do Sr. Bispo ditas em 2001, dentro do bote Baleeiro.

(Sermão da Pesqueira- extracto) pelo Bispo Dom António Sousa Braga, prelado desta Diocese.

" Comemorar" significa "fazer memória do Passado ", ligar-nos às nossas raízes, que dão consistência ao presente e nos projectam n o futuro.
As Árvores vivem das raízes. Assim também as comunidades humanas.
Povo sem memória do passado não consegue construir o presente, nem projectar o futuro...

"DUC IN ALTUM. Faz-te ao largo ", Igreja do Pico e dos Açores!
Cortamos as amarras, que nos prendem a questiúnculas, que nada ou pouco têm a ver com a urgência da Missão!
Deixamos a navegação de pequena cabotagem! Como os nossos valores Baleeiros e Missionários, larguemos para o mar alto da vida humana, iluminando-a com a luz do Evangelho.
Também podemos recordar na edição desse mesmo Semanário Ano 85° - N°4139, que foi o prelado Diocesano, Dom António Sousa Braga , que benzeu o Monumento à baleação, implantado no Cais do Caneiro
Isto sim é trigo, mas há quem prefere o joio!
Haja saúde!
Pe. Paulo Areias